A FALTA

Faz pouco tempo que as aflições cessaram,
foi até necessário esse passamento.
Descansaram os vivos,
descansou o que estava morrendo.

Restaram as recordações de mais de meio século
que são recuperadas a cada instante,
nas conversas,
no silêncio da noite
feito um livro imaginário,
que lentamente é virado de folha em folha.

Agora momentos bons!
Dizem que "dos mortos ninguém fala se não o bem."

Como ele era importante!
Como alegrava a casa!
Resolvia todos os problemas!
Tinha carinho para a esposa,
para as filhas,
para os amigos,
para todos!

Não demonstram,
mas agora choram a sua partida,
não imaginavam as consequências da falta,
e a sua ida sem volta.

Não sabem preencher os espaços que estão vazios.
Têm medo de abrir a porta para ganhar o mundo.
Falta-lhes o hábito de fazer conta,
nem aprenderam a contar dinheiro,
vivem a remexer lembranças,
o tempo inteiro.

Estão a chorar em cada canto,
dominadas por um pranto,
que não sai e angustia.

No rolar dos dias,
ficam a cultivar a solidão
não sabem botá-la fora,
não conseguem prolongar o começo do anoitecer,
e nem clarear a aurora.

Comentários

Debi Farah disse…
Muito lindoooo!!!! Me orgulho de ter tido vc como meu prof..
Parabens.
Vilminha disse…
Olá. Tudo que nos é muito importante e amamos muito nos faz falta, pois somos muito egoístas para nos desprendermos das pessoas, das coisas e de tudo que achamos que é nosso e na verdade nada é nosso, ou melhor o que é nosso e somente nós temos o livre arbítrio de mudar é a nossa vida, mas também não temos o domínio de saber quando ela irá acabar e aí faremos falta. Uma falta que nem podemos dimensionar pra quem ou de que forma irão nos render homenagens, pois de pois que nos vamos somos canonizados por muitos e nem sempre isto é realmente o verdadeiro sobre nós. Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II