Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

FÓRMULA CERTA, RESULTADOS APARECENDO

Definitivamente os políticos brasileiros somente decidem as coisas e resolvem trabalhar sob pressão.  E a população brasileira entendeu isso. Em pouco tempo de ruas e passeatas, conseguiu uma série de mudanças que estavam emperradas, sem nenhuma solução.
Vejam:
- Na última reunião do Senado aprovaram um Projeto que torna a corrupção crime hediondo. Esta proposta estava parada há dois anos.
- Em quase todas as capitais e cidades importantes brasileiras a tarifa dos ônibus foi reduzida.
- No dia 26 passado a Câmara dos Deputados simplesmente pôs em votação e votou contra a PEC 37, que alterava a Constituição Federal retirando o poder do Ministério Público de investigar. (o povo estava contra, pois a medida concentraria poderes, acabando com o benéfico trabalho desenvolvido pelo Ministério Público)
- Para hoje está previsto a votação que determinará o fim do voto secreto na cassação do mandato político.
- Os principais governos estaduais estão suspendendo os reajustes dos pedágios nas rod…

VAMOS... VAMOS...

Precisamos comprar comida, abastecer a cozinha, a Ilha está sem saída. Não há tempo para plantar, não há tempo para produzir. As pontes já ocupadas, isolam  o Continente.
Vamos construir túneis, mas demoram em ficar prontos, e a saída é urgente.
Os barcos deixaram suas marinas, levando os ricos pra longe, enquanto os pobres nos seus barquinhos, naufragam pelas marolas.
Vamos deixar esta Ilha... Falta comida, faltam barcos, faltam túneis e os aviões não pousaram.
Vamos pra onde? Festar em Jurerê Internacional? Descansar no Santinho? Surfar na Joaquina? No Campeche sentir o vento?
Não há comida, não há saída, nem as tainhas encostaram. pra socorrer os famintos.
Reúnem-se os necessitados. Gritam, protestam, caminham, riem entusiasmados.
Agora vai ter comida, agora vai ter saída, pontes por todos os lados, na Solidão, em Naufragados.
Olha as tainhas chegando, olha os túneis construídos, as ruas tão alargadas, as praias recuperadas: a Mole ficou tão dura, a Brava parece mansa, que enorme transformação!

O BRASIL NÃO SERÁ O MESMO

Vinte de junho - início do inverno – metaforicamente um dia ruim. Esta é uma data que ficará na história do Brasil. Confesso nunca ter visto uma coisa assim.
Indagava de um jovem como o País conseguiu se movimentar dessa maneira de norte a sul e ele me respondeu: “não tem mais saída, um impulso interno nos obriga a isso, os que se propuseram a governar não pensam mais no povo”. Chamou-me também atenção um dos cartazes que um garoto carregava numa das passeatas: “País mudo, não muda”. Realmente, juntando as duas situações, concluí que só a ação e a conscientização poderiam levar a algum resultado.
Pois bem, início do inverno, temperatura fria obrigando ao recolhimento, à lareira, ao cobertor, à cama mais prolongada onde a cabeça terá mais condições de raciocinar. Tem momento melhor para pensar e mudar? É o tempo apropriado àqueles que se propuseram a trabalhar pelo povo (os políticos) para pensar, puxar os cabelos, discutir, amadurecer, entender que estão ocupando esses cargos não para …

O MENSAGEIRO DO VENTO

Lá fora o mensageiro do vento não para... Pedaços de bambus que se juntaram, ligados com muitos fios. Instrumento estranho, que não é sino, nem relógio, informando que tem vento.
Bate lento... Bate forte... Seguindo a aragem do Sul.
Chora lento... Criando sons diferentes, se  tem chuva, ou se  tem sol.
Velhos bambus centenários, desse meu estranho instrumento, que dão notícias do vento, que informam a temperatura, transmitindo um choro seco e também o choro chocho, anunciando notícias boas, ou  possíveis desventuras.

A PRIMAVERA

Quem diria que também nós iríamos passar por uma situação dessas! Uma guerra silenciosa e moderna, da forma como foi feita no Egito e outros países árabes. 
Realmente a paciência esgotou-se e servindo-se do aumento das passagens dos ônibus urbanos, o povo sai às ruas a protestar. São jovens conscientizados de que se não fizerem alguma coisa, o futuro estará perdido. 
O aumento das passagens foi o pretexto, mas na retaguarda está um infindável número de problemas: a corrupção vergonhosa do governo, o aumento do custo de vida, o descontrole da inflação, a impunidade dos políticos ladrões, o desleixo com a saúde e com a educação, o aumento da insegurança, a aplicação errada do dinheiro público, o descontrolado desejo de construir monumentos (estádios) para mostrar fausto, quando a situação chega ao ponto de mais parecer “sepulcros caiados”.  O excesso de impostos pagos, leva o povo a trabalhar cinco meses para o governo.
Em meio a toda essa manifestação de inconformismo e revolta, o Governo …