A PRIMAVERA

Quem diria que também nós iríamos passar por uma situação dessas! Uma guerra silenciosa e moderna, da forma como foi feita no Egito e outros países árabes. 

Realmente a paciência esgotou-se e servindo-se do aumento das passagens dos ônibus urbanos, o povo sai às ruas a protestar. São jovens conscientizados de que se não fizerem alguma coisa, o futuro estará perdido. 

O aumento das passagens foi o pretexto, mas na retaguarda está um infindável número de problemas: a corrupção vergonhosa do governo, o aumento do custo de vida, o descontrole da inflação, a impunidade dos políticos ladrões, o desleixo com a saúde e com a educação, o aumento da insegurança, a aplicação errada do dinheiro público, o descontrolado desejo de construir monumentos (estádios) para mostrar fausto, quando a situação chega ao ponto de mais parecer “sepulcros caiados”. 
O excesso de impostos pagos, leva o povo a trabalhar cinco meses para o governo.

Em meio a toda essa manifestação de inconformismo e revolta, o Governo e os Parlamentares parecem abobalhados, a perguntar o que está acontecendo.  Assistem passivamente a tomada do  prédio do Congresso sem procurar saber o motivo. 

O poder estabelecido - que tanto combateu a corrupção quando era oposição - transformou-se num corrupto muito maior.

A Presidente – querendo mostrar-se democrata – legitima os movimentos na tentativa de acalmá-los. Teimosa e ditadora, o povo pede pão e ela dá-lhe pedra.


O ex-presidente Lula – objetivando retornar ao poder, numa atitude demagógica e eleitoreira – condena o comportamento dos policiais, sem levar em conta que foi ele, quem iniciou esse descontentamento popular, em decorrência das histórias mal contadas, do “mensalão”, do “eu não sabia”, da proteção aos antigos companheiros e tantos outros assaltos praticados contra o bem público e da população durante os seus oito anos de mandato. 

Que há grupos desafinados se aproveitando da situação todos sabem, mas está clara a ideia de que os que desejam o bem do País não provocam barricadas, não incendeiam ônibus, não invadem nem depredam bens públicos. Apenas ocupam as pontes e proíbem uma cidade a se movimentar, mostrando sua força, como aconteceu em Florianópolis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II