MUDANÇA DE FOCO

Eram bons e cheios de expectativas os momentos que mais tarde decidi chamar de pré-temporada.
Quando morávamos no interior do Paraná, na cidade de Querência do Norte, a pré-temporada sempre se prolongava mais; quando nos mudamos para Curitiba, esse período já havia perdido grande parte da sua emoção. Mas ambos nunca deixaram de ser magníficos.
A pré-temporada era aquele tempo que antecedia a nossa ida para passar um período na praia. A do interior resumia-se a projetos, sonhos, preparativos, expectativas, providências, conversas, detalhes e cuidados para que não faltasse nada; às voltas com as constantes falta de dinheiro, mas que sempre era arrumado. Já a da capital resumia-se às idas -, quase todos os finais de semana -, sempre que o fim do ano se aproximava. Faziam-se pequenas reformas, pintavam-se as árvores e o muro de cal, corrigiam-se alguns defeitos, eliminavam-se as goteiras existentes; enfim, procurava-se deixar tudo em funcionamento na casa para podermos passar alguns dias de férias, receber parentes e amigos, naquele congraçamento que renovava as energias.
Com nossa vinda para Florianópolis, isso tudo parece ter sumido. No ano passado, ainda curtimos algumas expectativas e recebemos uns parentes. Não aconteceram reformas e nem sentimos as expectativas de antigamente. Aparentemente, sumiram quase as pré-temporadas.
Isso tudo estou escrevendo -, quase num tom de lamento e saudade -, motivado pelas expectativas que sinto existir nos outros agora.
Explico: Florianópolis, no atual momento, vive esse período. Por causa das batidas que ouço, do amanhecer até os finais das tardes, deduzo que o espírito da pré-temporada migrou para os meus vizinhos. Do lado direito, do lado esquerdo, e nas duas casas que estão à frente da rua -, pelo barulho  constante de martelos e maretas, motosserras, gritos de pedreiros e carpinteiros -, todos estão preparando suas casas para receber pessoas neste final de ano.

Nossa pré-temporada não desapareceu, mas não está mais restrita ao preparo das acomodações materiais. Parece termos vencido essa etapa. Estamos nos preparando e saboreando um acontecimento sentimental e emocional inexplicável, pois se trata de um evento novo, que nunca tivemos, nem nunca foi sentido: Pedro -, o nosso neto -, estará aqui comemorando seu segundo ano. Chega como o protagonista. Todos sabem do seu valor e importância. Tudo se fará para que se sinta bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II