Aos invisíveis CHEFÕES DA VIVO

Meus aparelhos aposentados

Acabo de receber uma “contra apresentação” que dizem, deveria ter sido paga no dia dez de abril. Explicam estarem cobrando uma fatura já enviada.
Pois bem, não recebi nenhuma fatura! O que recebi foram muitas mensagens de cobranças encaminhadas pelo meu celular (escritas e gravadas e que estão todas guardadas). Por muitas vezes segui as instruções que orientavam o que fazer para saber o motivo da cobrança. Por várias vezes pedi que me explicassem qual era a origem dessa cobrança. Nunca obtive resposta. Recebi apenas muitas ameaças de ser encaminhado para o Seproc, Serasa, SPC e os diabo que o carregue (também tudo guardado). Tudo por causa de R$ 20,00 (vinte reais), que afirmavam não ter sido pago. Uma pouca vergonha!


Vocês inventam cobranças e se escondem. Apenas falam e tomam atitudes, nunca dão respostas. Nós, infelizmente, não temos a quem recorrer.
Não é por causa da importância, mas por me sentir que estou passando por idiota. Gritando, esperneando, querendo saber, sem nunca ter resposta.


Pois bem, seus “Vivos”, vou pagar essa fatura que vocês dizem que está vencida desde 10/04/2012, mas, ao mesmo tempo, solicito que cancelem essa cobrança e os possíveis serviços que ela representa (meu telefone é pré-pago).
Aliás, preciso lembrá-los que há questão de uns vinte dias comprei R$ 18,00 (dezoito) de créditos que vocês simplesmente me “surupiaram”. “Este telefone não está habilitado a fazer ligações!”, é o que me diz a gravação. Solicito também me seja devolvida essa importância.


Não quero depender de mais nada de vocês, de nada, absolutamente de nada, só preciso que me expliquem a origem disso, sem o que não vou me dar por satisfeito. Não quero mais receber nenhuma cobrança da “Vivo”. O que eu quero é ficar longe dela, porque estou consciente de que “vivo” serei eu.

Pergunta que gostaria de resposta: Por que o Governo não levanta uma palha para impedir uma bandalheira dessas?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II