A PERDA


Bonifácio achegou-se meio entristecido e falou-me: 
- Perdi o meu melhor companheiro de tênis.
- Morreu? - interpelei-o meio sobressaltado.
- Não, recomendação médica o está proibindo de praticar esse esporte.
- Estranho, proibido de praticar esporte?
- É, adquiriu uma doença que atrofia-lhe as cartilagens, retirando-lhe o líquido que lubrifica as articulações.

Notei que Bonifácio estava chateado com a situação. Deixei que me explicasse com mais detalhes o motivo da sua tristeza. 
Após um período de explicações, percebi que realmente aquele seu companheiro de tênis era especial. Praticava o esporte por gosto mesmo, indiferente às derrotas ou vitórias. Não questionava uma bola duvidosa, nem se entregava à obsessão de ganhar sempre. Jogava tênis pelo prazer e pela necessidade de se movimentar. Unicamente para ter em mãos uma eficiente terapia. Bem diferente de muitas pessoas que tinham em mente só a vitória e, para consegui-la deixavam de lado o companheirismo e a esportividade. 
Deduzi que essa pessoa realmente era especial, razão da tristeza de Bonifácio. Sem ele teria que se adaptar ou parar também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FLORES DE MAIO

OS MENDIGOS DE ROMA

TEMPO DE PASSEIO