DIFERENCIAIS


Quanto mais conheço as cidades brasileiras, mais me apego a Curitiba.
Considero-me um privilegiado pelo fato de ter a oportunidade de conhecer quase todas as capitais e outras cidades importantes deste  País.

Ouvia  falar maravilhas de cidades como o Rio de Janeiro, Florianópolis, São Paulo, Brasília. Ofereciam qualidade de vida, diziam os estudiosos. 
Embora Curitiba sempre estivesse no topo do que de melhor se oferecia em termos de bem viver, manifestava minha opinião de uma forma muito tímida.
Hoje não. Hoje posso dizer que nossa capital está na vanguarda. Foi só o governo incentivar a aquisição de carros para que antigos paraísos se transformassem em cidades inviáveis.
O Rio de Janeiro está assim. Florianópolis está assim. Sem falar de São Paulo, Salvador e outras.  Entupidas, intransitáveis.
O calor da Cidade Maravilhosa é insuportável, o trânsito também. Florianópolis travou com o aumento de carros, com a chegada dos turistas e dos estrangeiros barulhentos do cone sul.  A Ilha da Magia tornou-se uma tortura. Filas quilométricas de veículos tomaram conta do norte e do sul. Das praias mais badaladas às mais desertas. Está ocorrendo um estrangulamento e Florianópolis parece sem ação. Cruzar as pontes diariamente tornou-se uma façanha, principalmente nos inícios das manhãs ou nos finais de tardes. A saída está em viajar nas altas horas da noite ou aproveitar a madrugada.
Curitiba prima pelas suas ruas largas, pelo seu clima ameno, pelo transporte coletivo, mas já não é aquele paraíso do passado. Assaltos, assassinatos e roubos estão presentes no dia a dia, tornando-a violenta e menos segura.
Apesar disso tudo, quanto mais conheço as cidades brasileiras, mais me apego a Curitiba. 

Comentários

Alceu Gehlen França disse…
Bom dia amigo Mario,

Estava a "furungar" no maior fofoqueiro da história e te encontrei. Continuas a escrever muito bem. E o Oiram Igidama, continua vivo?
Saudades.
Alceu

alceugfranca@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II