HOJE NO CAMPECHE

Ficou preto o céu,
as luzes das ruas se acenderam,  
as árvores balouçaram fora da rotina,
sumiram os passarinhos,
as pessoas se recolheram em suas casas,
os trovões espalham faíscas pelo céu,
os aviões barulhentos deram uma pausa,
queimaram-se ramos bentos.

Ouço o barulho das ondas enfurecidas, querendo chegar mais longe,
afugentando os banhistas. 

Há duas horas:
trinta graus e muito sol;
agora preciso ir ao guarda-roupa vestir uma blusa.

Será um furacão no mar que vem à terra?
Pingos grossos de chuva,
alarmes, estranhando o ambiente, se esgoelam.

- Vai guardar o carro, veja as pedras caindo.
Granizo esparramou-se pelo gramado,
fez barulho no telhado e aumentou o frio.

A chuva chegou violenta e inconsequente,
lavando telhados,
molhando paredes,
passando pelos ralos,
espalhando-se pela grama,
 e, encachoeirada e suja, correndo pelas ruas.

Agora:
Os raios sumiram,
As ondas não soltam ais,
derreteu-se o granizo
O céu acinzentado não ruge mais,
Ficou uma chuva fraca
Acariciando a natureza

Que voltou a ser calma. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

LEMBRANDO MINHA IRMÃ