GEOGRAFIA



Todas as cidades têm seus rios:

Roma debruça-se sobre o Tibre,

das pontes de arcos antigos.

Paris ostenta o Sena,

cheio de encantos e namorados.

Lisboa se orgulha do Tejo, dos tristes fados.

Madri tem o seu Manzanares,

pequeno para uma cidade tão grande.

Bagdá, o belo Tigre,

dos inesquecíveis jardins supensos.

Curitiba, o Belém,

que mata o Iguaçu no nascedouro.

Assuncion, o Paraguai,

do pantanal brasileiro.

Londres o seu Tamisa,

da ponte e do Big Ben.

O Hudson descansa em Nova York,

ele que já teve duzentos metros de fundura,

está hoje assoreado.

O Amazonas passa por Belém e termina no mar,

depois de banhar Manaus

e criar a pororoca.


Todas as cidades têm seus rios,

São Paulo exigiu que lhe dessem dois:

o Pinheiros e o Tietê,

um só seria pouco para poluir.

Em Porto alegre há o Guaíba,

que até parece um lago.

O Nilo passa banhando Cairo,

o Danúbio toca valsas saudosas

em Viena, Budapeste e Belgrado.

Buenos Aires a estender-se no Rio da Plata,

que exigiu três rios para se formar.

Tóquio, o Tonegawa,

que mata a sede de trinta milhões,

antes de morrer no Pacífico.


Eu escolhi o meu rio,

nele pesco e sempre navego,

nele mergulho e ensaio nados.

Por causa dele conto histórias,

pedindo que o respeitem.

Sobre suas águas, às vezes choro,

por vê-las quase sem peixes.

Sentado sobre suas margens,

assisto o passeio das águas,

que descem buscando o sul.

Passeando em suas ilhas,

ouço o canto dos passarinhos,

aprecio o grito dos macacos,

tento espantar as muriçocas,

sinto o silêncio de lá.


Todas as cidades têm seus rios,

eu também tenho o meu,

caudaloso e tão bonito,

escolhi o Paraná.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

LEMBRANDO MINHA IRMÃ