PROBLEMAS COM GERVÁSIO

Gervásio, maldito Gervásio! Relaxado, mau profissional! Quero que saiba: isso que estou sofrendo é castigo demais! Sou obrigado a lembrar de você, todas as horas e instantes, sempre que entro no meu banheiro. É só abrir uma das gavetas da estante do lavabo. Você está ali presente, sempre se anunciando. Gervásio, seu desgraçado, preguiçoso, desatento, desleixado, irresponsável!

Pois é..., Gervásio é o marceneiro que fez o armário da pia do meu banheiro. Quando você compra um cômodo desses é comum que ele deslize suas gavetas silenciosas e delas retire ou acomode, com toda a facilidade, os seus objetos pessoais.  Não acontece com o armário que o Gervásio fabricou: as gavetas não abrem, a porta bate sempre que é aberta e ainda há um vazamento de água que está acabando com a prateleira interna.

Gervásio já foi chamado diversas vezes para vir consertar sua obra, mas não aparece. Diz que está sem tempo e outras muitas desculpas que estão me deixando sem paciência.

Vou ao banheiro, abro a porta e o barulho que sempre faz lembra-me do Gervásio. As gavetas que não abrem me recordam de Gervásio.  Pam, pam... - maldito Gervásio!

Ontem consegui falar ao telefone com ele.
- Quero esquecer-te, Gervásio!
Gervásio não entendeu, mas depois de algum tempo prometeu que viria no final da tarde. Tava difícil por causa do trânsito, explicou. E Gervásio não apareceu, nem apresentou justificativa. 

Estou perdendo as esperanças! O trânsito não vai melhorar e dificilmente ele aparecerá.

Acabou vindo num sábado, tempos depois. Aproximou-se do armário. Observou-o demoradamente. Puxou as gavetas, que insistiram em não abrir; abriu a porta que ao ser solta bateu fazendo um eco.

- Ta vendo, é isso que acontece todos os dias, disse-lhe nervoso.
- Isso é moleza, vou dar um jeito em tudo, falou sossegado.
- Não esqueça, além das gavetas e das portas também tem a molhação, precisa trocar a prateleira interna que está apodrecendo – falei-lhe.
- Sossega patrãozinho, vai ficar tudo novo – retrucou.
- Deus que te ouça! Só comprarei outro móvel teu se quando estiver usando este não tiver lembranças de você.

Trabalhou umas duas horas usando lixadeira, serrote, plaina, cola, martelo e furadeira. Fez uma sujeira pela casa que enloqueceu a Lu.  Finalmente chamou-me:

- O serviço ficou um brinco, patrão: gavetas abrindo, portas fechando silenciosas e a goteira parou. Só peço uma coisa: não se esqueça de mim! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II