A CASCATA DO TIO PANCERA



O tio Pancera tinha um sítio,
num lugar muito distante,
que eu demorava para chegar,
tive ali horas alegres,
no meu tempo de guri.

Havia uma cascata escondida,


um filete de água pura,

que caía das alturas
percorrendo a mata perdida,
pelo leito sempre descendo.

Por entre as pedras redondas,
as águas se amansavam,
fazendo espumas brilhantes,
quando o sol chegava nelas.

Enchiam o cocho pacientes,
de um velho e triste monjolo,
que batia o tempo todo,
fazendo a nossa comida.

Era um riacho pequeno,
a se perder entre as voltas,
que nem criava peixinhos,
mas corria sempre esperto,
temendo virar açude,
sonhando tornar-se grande.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

LEMBRANDO MINHA IRMÃ