Livro interessante: MOBY DICK

Dia desses retirei da prateleira de minha biblioteca um livro velho, grosso, de formato feio e envelhecido, que estava ali nem sei há quanto tempo. Não tenho lembrança de quando foi adquirido. Nunca o havia sequer folhado: Moby Dick, do escritor americano Herman Melville, tradução de Berenice Xavier, que não fez sucesso na época da publicação, 1851 (pelos comentários que li depois), mas se tornou um dos clássicos da literatura mundial.

Acabo de lê-lo. São 582 páginas. Este livro é um tratado sobre as baleias, sobre os navios baleeiros que, antigamente,  cruzavam os mares sem qualquer controle, matando esse animal para extrair dele o óleo e o espermacete, utilizados na iluminação da época.  

Essa leitura, além de me ter fornecido um largo conhecimento sobre o assunto, mudou a visão que eu tinha desse animal. Considerava-o manso, lento, uma presa fácil de ser capturada. O livro mostra tudo ao contrário: a baleia é um animal enorme, agressivo, rápido, violento e difícil de ser apanhado. 

Foram quase dizimadas, mas nesse trabalho de captura também morreram muitos profissionais da pesca. É o caso descrito neste livro: Moby Dick, um cachalote desproporcional, violento, quase imortal, provoca o afundamento do navio baleeiro Pequod matando toda a tripulação. Somente sobrou um, que no epílogo do livro diz: “E só eu escapei para vos dar a notícia”, Ismael.

Também chama a atenção o longo período que um navio baleeiro ficava no mar sem voltar para sua base. Normalmente uma viagem durava três anos e as embarcações iam seguindo a rota das baleias conforme a peregrinação delas. Retornavam quando os porões estavam cheios do produto extraído, guardado em barris. O trabalho de refino era feito no navio mesmo.

O mundo, atualmente, discute a proibição total da pesca da baleia. Normas e mais normas são debatidas e aprovadas, mas desrespeitadas.
Dois países continuam a pesca do mamífero, em escala comercial, principalmente para conseguir a carne, antes desprezada e abandonada ao consumo dos tubarões: Noruega e Japão. Os Estados Unidos, que já foi o maior caçador de baleias, restringe-se hoje a caçá-las com a finalidade de estudos científicos.


A verdade é que o número de cetáceos tem aumentado (já estiveram quase extintos) e a tendência é realmente que esses dois países que ainda praticam a caça,  acabem por aceitar as normas internacionais existentes e parem também

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II