SOLUÇÕES

O eletricista havia prometido, pela terceira vez, atender aos pedidos daquele senhor. Precisava que fizesse um levantamento nas instalações da casa porque o consumo de energia estava muito alto. Queria também a colocação de umas "lâmpadas de led" para iluminar a casa durante a noite. Finalmente, desejava que fosse instalada uma campainha eletrônica para anunciar o momento de chegada das pessoas que vinham visitá-lo.

Pois pela terceira vez o eletricista prometeu que viria. Em todas elas marcara horário. Nunca apareceu e nem justificou sua falta. 

A filha, para quem o pai desafogava suas mágoas, pedia paciência. Dizia que o povo daquele lugar era diferente. Dava orientações de como deveria proceder dizendo que aquele modo de ser estava arraigado no sangue da população. Se quisesse ser atendido e ver o serviço realizado devia ser assim.

Pois aquele senhor, já calejado pelos anos, ouviu as explicações da filha, mas se recusou a aceitá-las. Era muita humilhação precisar se ajoelhar, pedir pelo amor de Deus para ser atendido, sabendo que teria que pagar “o olho da cara” pelo serviço quando estivesse realizado.

- Vou estudar eletricidade – decidiu depois de muito pensar e chorar suas mágoas. Assim não estarei refém desse povo que acha que ao executar seus serviços estão prestando favores.

Revirou seus cadernos e livros e encontrou o material de um antigo Curso de Eletricidade que fizera a distância, no Instituto Universal Brasileiro. Eram dezenas de brochuras cheias de conteúdos ilustrativos e detalhamentos que não teve dificuldade de entender e por em prática.

Um dia, casualmente, encontrou-se com aquele profissional descompromissado e prometedor.  
- Estou em dívida com o senhor – disse ele. Se quiser posso ir amanhã fazer os serviços pendentes.
- Não... -, a obrigação que tenho para com o senhor é só agradecer!
- Agradecer? – Explique-se, não estou entendendo?
- Estás ainda recordado dos serviços que deviam ser feitos e o senhor não os fez?
- Instalar campainha, “lâmpadas de led” e fazer uma revisão nas instalações da casa porque, no seu entendimento, estava muito alto o consumo.
- Perfeitamente. Memória o senhor tem e boa! Digo: tudo isso já está pronto e funcionando.
- Arrumastes outro profissional?

- Não,- reestudei meus velhos manuais de eletricidade e eu mesmo os instalei. A raiva que senti pelas suas promessas e esperas foram revertidas em benefícios econômicos e satisfação de um “ego” que estava meio preguiçoso. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

LEMBRANDO MINHA IRMÃ