PALAVRAS NAS ROLHAS

Nunca me ative àquele vaso de cristal posto sobre a mesa da copa. Somente hoje percebi o incalculável número de rolhas de antigas garrafas de vinho nele contidas.
Caprichos da Lu!
Nem sei para que mantinha aquelas coisas! Futilidades, recordações, talvez...

Pois, meio sem querer, dei atenção àquele vaso. Não quis contar quantas rolhas tinha. Dediquei-me a ler as mensagens que apareciam escritas em quase todas. Algumas apenas as datas; outras, recordações de momentos bons. O vinho só provoca isso! Momentos bons e que ficaram longe, uns provocando saudades; outros, tristezas infindas. Por isso, a bebida dos deuses!

Fiquei a pensar o quanto é bom registrar os momentos! Poucas palavras fazem-nos sonhar. Transportam-nos para o passado. Lembramos de tudo o que aconteceu e somos tomados de um saudosismo sem controle. Sentimos vontade de rir, de chorar, desejo de recuperar o momento perdido. Alimentamos assuntos, recontamos histórias.

- Noite do vinho e debates sem fúria. Saímos com o Daniel. Vinho madeira – 09/02/10.

- Oito garrafas – Finca El Origen – 06/02/10. Nossa, que exagero, pensei.

- Carnaval com neve – Madrid – Reunião de trabalho – 15/02/10.

- 28/03/09 – Sonhos, velas, amigos, vinho, luz elétrica – Jenifer.

- A frase do dia: "Desculpa". 07/02/2009.

- Meia-lua – Livro Mário – Jantar - Eu – Fausto – Dani – Mario – 02/07/2008.

- Sejam felizes – beijos mil – 21/09 – Terezinha.

- 12/06/2009 – Foi dia dos namorados como casados.

- Fado na Adega do Mesquita – Lisboa – com pai e mãe – 25/03/2010.

- O retorno ao vinho – nós antes do carnaval - 24/01/2009.

- 22/06/2010 – Faltam 8 dias para o Brasil.

- Enquanto correm os proclamas – vinho e salmão – nós 3 em casa – 16/04/2009.

- Planejando roteiros – "estresse" – 06/12/09.

- 07/02/2009 – Oficina da pizza – nota 10.

- Diferenças que acompanham as eternas amizades – 28/03/2009.

- Noivado – 12/05/2009 – Baggio – Mal estar.

- Renovem o amor de vocês a cada dia – 06/06/2009.

Não havia lido nem um terço daquelas rolhas, mas resolvi parar.
Viajei muito e me encontrava cansado.
Abusara das recordações, explorara os sentimentos. Tem coisa mais rápida e dinâmica que a nossa mente?
Tem coisa mais impossível de ser dominada do que os nossos sentimentos?
Tem coisa mais gostosa do que o passado?

Repus aquelas rolhas todas nos seus lugares. Sabia que as garrafas e os vinhos haviam evaporado.  
Resolvi parar...
Precisava me ater ao presente.
Pensar para idealizar um futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II