O QUADRO

O mineirinho acabara de chegar ao Rio de Janeiro, vindo da sua cidade natal. Jeitoso ele, macio no falar, um verdadeiro mineiro do interior. Não conhecia a Cidade Maravilhosa, mas ouvira dela muitos comentários. Vinha atrás de serviço. Era pedreiro e essa profissão estava sendo muito disputada. Cansara de fazer bicos na sua cidadezinha sempre mendigando favores e a promessa ali era de bom dinheiro.

Fixou morada num dos quartos de um apartamento que seria reformado e que acertou para fazer o serviço. Não gastaria com aluguel e estava na boca da obra. O contratante havia concordado em troca de preço mais baixo na empreitada.

Era um apartamento antigo. Paredes grossas e resistentes, mas a exigirem muitos reparos. Teria que mudar os encanamentos de água, a instalação elétrica, refazer os banheiros, a cozinha e uma série de outras coisas pequenas. Era muito trabalho.

O antigo proprietário havia deixado todos os móveis dos quartos e o novo dono decidiu que era só um trato nas madeiras e ficariam novos. O mineirinho utilizou um daqueles cômodos para guardar suas coisas.

Ao abrir a porta do guarda-roupa, deparou-se com o retrato de uma pessoa pintado a óleo. Olhou para aquela figura de homem numa fisionomia séria, longos bigodes e sobrancelhas grossas, costeletas que lhe desciam pelos lados do rosto. Achou simpática a obra, mas o olhar penetrante parecia dizer-lhe alguma coisa.

Dias depois, numa manhã bem cedo, o novo proprietário do imóvel passou para verificar o andamento dos trabalhos. Introduziu a chave na fechadura e tentou inutilmente abrir a porta. Bateu, apertou a campainha e somente depois de certo tempo apareceu o mineirinho meio espantado, destravando os ferrolhos e abrindo a porta.
- Tudo isso é medo, rapaz – indagou o dono.
- Não senhor, é só uma precaução. Na noite passada fechei a porta somente à chave e ela amanheceu aberta.
- Mas como, tem certeza?
- Certeza, certeza, meu senhor! Acho que tem alguma coisa a ver com aquele quadro. Ainda ontem à noite, quando abri o cômodo para pegar uma camisa, o homem pareceu que deu uma piscada. Ando meio cabrero! Eu heim...

Naquele mesmo dia as coisas ficaram explicadas. Os antigos proprietários chegaram para recolher os últimos pertences e uma senhora, já de meia idade, saiu conduzindo o quadro em baixo do braço.
- É seu o quadro? - indagou o mineirinho.
- Sim, retrato de meu pai, o antigo proprietário deste apartamento. Morreu faz muitos anos. Obra minha, pintei-a quando fazia a Faculdade de Belas Artes. Guardo como relíquia isto!

O mineirinho ficou petrificado. Observou o quadro quando a senhora saía pela porta de entrada e assegura até hoje que ele lhe deu uma última piscada.


No mesmo dia decidiu abandonar o local. Pediu dinheiro a fim de comprar uma passagem e retornou para Minas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O MANEZINHO E O COLEIRINHA

FLORES DE MAIO

TRABALHANDO EM BELÉM II